quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Cães Heróis - Histórias Reais



Anny

Em julho de 2000, um depósito de material elétrico desabou na Zona Leste de São Paulo (SP). Um dos funcionários da empresa ficou soterrado a uma profundidade de cerca de 4m. Quem o localizou foi a pastora-alemã Anny. Ela fazia parte do 1º Grupamento do bairro do Ipiranga.

Blue

Em julho de 2001, o cachorro Blue salvou a vida de sua dona, Ruth Gay, uma velhinha de 85 anos. Ela caminhava em seu quintal, na cidade de Fort Myers, na Flórida (EUA), quando caiu. Ficou no chão por cerca de uma hora e quando um dos crocodilos de um canal que fica próximo à sua casa começou a se aproximar, Blue começou a latir e espantou o réptil. Depois o cachorro foi até o carro de sua filha e genro que estavam chegando e latiu até que o casal o acompanhasse. Eles, então, encontraram a senhora.

Buddy

O pastor alemão pressionou a tecla de emergência do telefone, grunhiu e latiu quando o atendente perguntou se alguém precisava de ajuda. A intervenção canina acabou salvando a vida do dono, Joe Salnaker, que sofre de ataques epiléticos. O caso aconteceu em setembro de 2008, nos EUA.

Cão Malaio

Apesar de não ter interferido diretamente, esse cãozinho impediu seu dono de cometer suicídio. Um morador de Kuala Lumpur (Malásia), que havia acabado de perder seu emprego, estava prestes a pular de uma ponte quando foi avisado que seu animal estava morrendo sufocado. Isso fez com que recuasse e desistisse de tentar a morte. O caso ocorreu em 6 de setembro de 2005.


Catita

A vira-lata Catita salvou seus donos, duas crianças, do ataque de um feroz pitbull no Rio de Janeiro, em fevereiro de 1999. Ela deixou os filhotes e correu para acudir os meninos. Acabou perdendo um pedaço da orelha, mas conseguiu afastar o outro cachorro.


Choop

O Bernese Mountain foi utilizado em sessões de fisioterapia assistida para idosos. Ele participava dos exercícios e, segundo os médicos que acompanhavam o programa, contribuiu largamente para que os participantes tivessem melhoras tanto físicas quanto emocionais e psicológicas.

D-Boy

Mesmo baleado, D-Boy não desistiu – o cachorro continuou atacando o assaltante que invadiu a casa de sua dona, em Oklahoma City, nos Estados Unidos. D-Boy foi atingido 3 vezes pelo ladrão, mas a valentia do cachorro acabou desestimulando o criminoso, que fugiu sem levar nada. D-Boy sobreviveu. O caso aconteceu em dezembro de 2008.


Dick

Dick era um pastor alemão da polícia militar e em 1956 ajudou a encontrar um menino de 4 anos que havia sido seqüestrado. Cheirou o travesseiro do garoto e conseguiu levar a polícia até o cativeiro. Dick foi homenageado, sendo promovido de soldado raso a cabo pelo então governador Jânio Quadros e ganhou um busto de bronze no canil da Polícia Militar.

Dick 2

No ano de 1956, o então governador de São Paulo, Jânio Quadros, encorajou os policiais na busca por um garoto de 3 anos que fora seqüestrado, afirmando que promoveria aquele que solucionasse o crime.Três dias depois, quem encontrou a criança foi o pastor alemão Dick, treinado pela PM.


Diogo

O pastor-alemão, membro da Polícia Militar, salvou um grupo de 11 crianças e adolescentes evangélicos que se perderam na Serra do Mar, em São Bernardo do Campo (SP). Fazia dois dias que os garotos passavam frio e fome, isolados na mata fechada.



Faith


A rottweiler salvou a vida de sua dona ao ligar para o serviço de emergência depois que ela teve um ataque epilético. Na verdade, a cadela da norte-americana Leana Beasley recebeu treinamento para ajudá-la. O animal aprendeu a identificar mudanças na química do corpo da moça, ligar a tecla rápida para chamar socorro e ainda esperar o resgate na porta da casa.


Gem

O labrador recebeu o título de cão-herói em uma eleição realizada em todo o país e ganhou o direito de participar de um concurso que apontaria o cachorro mais corajoso do mundo. Gem servia de guia para Ethel Rosenfeld, cega desde os 13 anos.

Hachiko

No Japão, o cachorro Hachiko todo dia acompanhava seu dono, o professor Ueno Eizaburo, até uma estação de trem. De lá o professor seguia para a Universidade de Tóquio e Hachico voltava para casa. Às 15 horas, quando Ueno retornava, o cachorro já estava na estação esperando por ele. No ano de 1925, o professor morreu, mas o bichinho não sabia e continuou esperando o dono. Pessoas começaram a visitar o local só para ver Hachico, que permaneceu na estação por 12 anos, até morrer. Os japoneses ergueram uma estátua no local para homenagear a fidelidade do cão.

Jake

Jake, um cão labrador preto, trabalhou nos escombros do World Trade Center atrás de sobreviventes, em 2001, e também participou das buscas em Nova Orleans , depois que o Furacão Katrina devastou a cidade, em 2005. Nas horas vagas, Jake ainda arrumava tempo para brincar com crianças vítimas de queimaduras e idosos em casas assistenciais, além de ensinar outros cães a farejar. O cão foi abandonado quando tinha apenas 10 meses. A americana Mary Flood o encontrou em uma rua perto de casa muito maltratado e com a pata quebrada. Assim que ficou bom, Jake entrou para o treinamento de cães de resgate e se tornou um dos 200 cachorros da equipe de busca e salvamento certificada pelo governo dos Estados Unidos. O “emprego” exigia disponibilidade total dos animais para trabalhar em todo o tipo de desastre e a qualquer horário. O cão herói morreu em 25 de julho, aos 12 anos, vítima de câncer.

Lassie

Esta dog alemão evitou que Ivone Rosário fosse atingida pelos tiros disparados por seu vizinho. O homem se revoltou ao saber que a filha estava grávida do sobrinho da mulher. Lassie defendeu Ivone pulando em sua frente e evitando que ela fosse atingida pelas balas.

Pam

Um filhote de vira-lata chamado Pam impediu que 180 presos fugissem da Casa de Custódia Muniz Sodré, em Bangu, no Rio de Janeiro. Percebendo a movimentação dos bandidos, o cachorro passou a latir e os agentes penitenciários foram ver o que estava acontecendo. No meio do tiroteio que se seguiu, o herói da história foi atingido na pata.

Taffy

A pequena poodle acordou seus donos – o casal de idosos Alice Ferrari (82) e Ted Koplanko (83) – ao perceber que a casa estava pegando fogo. Graças a intervenção canina, os dois conseguiram sair a tempo e chamar os bombeiros, que levaram meia hora para controlar o fogo iniciado em um ventilador de teto. O caso aconteceu em setembro de 2008, na cidade de Tampa, Flórida (EUA).

Tarzan

Um aposentado de 74 anos foi salvo pelo pastor-alemão, que farejou o local onde ele era mantido refém por sequestradores. O caso ocorreu em setembro de 2002. O homem que mantinha Juan de Dios Gimenes cativo em um trecho de mata fechada nas proximidades de Ribeirão Pires (SP) aguardava o retorno de seus companheiros, que tinham se dirigido a um banco para sacar o dinheiro da conta da vítima. Tarzan e seu dono estavam passeando no local quando o animal farejou algo estranho.

Tatá

Os latidos da vira-lata chamaram a atenção de Almir Caldas. Debaixo de uma forte chuva, ele foi até o quintal de sua chácara, que fica trás de uma ferrovia, para ver qual era o problema. Encontrou Tatá com a corda da coleira esticada, levantando as patas na direção de um enorme buraco aberto pelas águas sob a linha do trem que atravessa o Campo Limpo, em São Paulo. Na tarde do dia 29 de março de 2006, o aposentado decidiu ficar sinalizando na frente da cratera de 15 metros e conseguiu evitar que um trem, com 250 passageiros, sofresse um acidente.

Vira-lata queniana

A cadelinha do queniano Aggrey Mwalimi encontrou um bebê recém-nascido em um matagal. A vira-lata salvou a vida do bebê, arrastando-a por cerca de um quilômetro até o galpão onde morava com seus filhotes. O caso aconteceu em maio de 2005.


Xuxa

Em setembro de 2002, dois rottweillers e um pitt-bull avançaram em uma mulher e seu bebê. Os dois teriam se machucado seriamente, não fosse a intervenção desta cadela vira-lata, que morava na Praia da Enseada, no Guarujá. Ela lutou contra os outros animais e precisou sofrer uma cirurgia para se recuperar dos ferimentos. Voltou depois para as ruas, onde morreu de desnutrição.

Willy

Em 18 de junho de 2001, o dálmata Willy não deixou que três bandidos armados roubassem a casa de seus donos. Os homens, disfarçados com uniformes de uma companhia telefônica, não esperavam reação violenta de uma raça de cachorro tida como muito dócil. Um dos ladrões acabou preso.


AMO PATINHAS

Um comentário:

Leppy Braga disse...

Nossos companheiros em toda e qualquer situação, uma aula de solidariedade para os que se dizem Humanos.